Ação da PF prende PRFs corruptos

25/03/2011 14:41

Ação da PF prende chefe de delegacia da Polícia Rodoviária Federal no RJ
Esquema de corrupção cobrava propina de empresários.
Um empresário que participava do esquema foi preso em flagrante.


Oito policiais rodoviários federais foram presos, na manhã desta sexta-feira (25), durante a Operação Pisca-Alerta, da Polícia Federal. De acordo com o delegado da PF, Fábio Galvão, entre os presos está o chefe da 3ª delegacia de Polícia Rodoviária Federal, em Itaguaí. Os presos são suspeitos de participar de um esquema de corrupção e cobrança de propina de empresários da região de Angra dos Reis, Itaguaí, Paraty e Mangaratiba.

Galvão explica que o chefe da delegacia era sócio de uma empresa de ônibus. “A empresa era uma das beneficiadas pelo esquema de corrupção”, garantiu o delegado. A ação conta com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Ainda de acordo com o Fábio Galvão, 18 pessoas foram denunciadas pelo esquema. Destas, 15 são da PRF. As outras três são empresários. Dos dez mandados de prisão expedidos, oito foram cumpridos. Um não pôde ser cumprido porque o policial havia sido assassinado no dia 4 de março, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ainda falta cumprir um mandado de prisão.

Os policiais denunciados eram responsáveis pela fiscalização na BR-101 Sul (Rio-Santos). A Vara Federal de Angra dos Reis, onde começaram as investigações, expediu 10 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão.

O delegado explicou ainda que os agentes foram denunciados pelo Ministério Público Federal por crimes como inserção de dados falsos no sistema da PRF, corrupção, formação de quadrilha armada, violação de sigilo funcional e advocacia administrativa (contato para retirar multas). “Os agentes avisavam até de barreiras da PRF a quem pagava propina”, afirmou o delegado.

Empresário preso em flagrante
Fábio Galvão revelou também que um empresário, suspeito de recolher propina de colegas para repassar aos agentes, foi preso em flagrante nesta manhã. Ele estava com armas e munições.

Segundo o delegado, a investigação começou em outubro de 2009 após denúncia feita por um caminhoneiro. “A testemunha, que teve que pagar R$ 40 de propina, tinha GPS no caminhão. Então tivemos como comprovar o depoimento”, afirmou Galvão. A investigação se estendeu até setembro de 2010, porém o delegado disse não ter informações de quando o esquema de corrupção na BR101 teve início.

Ainda segundo o delegado, alguns empresários vão ser investigados por corrupção ativa, já outros são vítimas do esquema. Galvão informou que são dezenas de empresários, mas não soube especificar o número. “Os empresários que não pagavam, sofriam retaliação por parte dos agentes da PRF, como multas e apreensão dos veículos”, disse.

Incompatibilidade de bens
Para o delegado Galvão, existia uma incompatibilidade de bens entre os agentes da PRF. “Um deles acumulou R$ 2,4 milhões em 5 anos , enquanto seu salário rendia R$ 10 mil em um ano”, afirmou.

120 policiais
A operação mobilizou 120 policiais. Os presos foram levados para a sede da Superintendência da PF no Rio, na Praça Mauá, no Centro, e posteriormente para o presídio de Bangu 8. Segundo o delegado Fábio Galvão, os policiais devem ser expulsos da PRF.

Operação Guilhotina
No dia 11 de fevereiro, a PF deflagrou uma megaoperação, chamada de Operação Guilhotina, para prender suspeitos de envolvimento com milícia, tráfico de drogas e armas e exploração de máquinas de caça-níqueis. Na época, foram presas 38 policiais civis e militares suspeitos de diversos crimes.

Entre eles o ex-subchefe operacional da Polícia Civil, delegado Carlos Oliveira. A prisão do delegado acabou provocando a saída do então chefe de Polícia Civil, Allan Turnowski.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noti ... no-rj.html

 

 

OBS: Quem puder assistir neste Domingo o fantástico trará uma reportagem sobre a PRF

Voltar

Pesquisar no site

© 2010 Todos os direitos reservados.